De Cuparaque: Pelo menos quatro crianças de Minas estão separadas dos pais nos Estados Unidos

Em Cuparaque, o assunto domina as rodas de conversas. Pelo menos duas famílias da cidade estariam envolvidas. Numa delas, a mãe está separada de seus três filhos.

JO Junia Oliveira

Manifestantes protestam contra a separação de famílias de imigrantes pelas autoridades americanas(foto: Robyn Beck/AFP)

Pelo menos quatro crianças mineiras estão entre os 49 brasileiros separados dos pais imigrantes pelas autoridades de fronteira dos Estados Unidos. Elas são de Cuparaque, cidade de cerca de 5 mil habitantes a 480 quilômetros de Belo Horizonte, na divisa com o Espírito Santo. O município do Vale do Rio Doce, um dos pontos de imigração na região para os Estados Unidos, vive um drama com a situação.

Nas últimas semanas, mais de 2,3 mil meninos e meninas foram tirados de suas famílias sob uma nova política de “tolerância zero” do governo do presidente Donald Trump, por meio da qual as pessoas que entram no país norte-americano ilegalmente enfrentam processos. O governo diz que agora vai procurar deter famílias imigrantes. Em Cuparaque, o assunto domina as rodas de conversas. Pelo menos duas famílias da cidade estariam envolvidas. Numa delas, a mãe está separada de seus três filhos. O pai está na cidade do Vale do Rio Doce. Segundo informações de moradores, parte da família viajou para os Estados Unidos para tentar resolver a situação. Expectativa também é grande para o avô de um menino de 9 anos, cuja filha foi detida e separada do garoto. 

Continua depois da publicidade

Estado de Minas entrou em contato com parentes, que preferiram não falar, por medo de retaliação.
Diante da repercussão negativa da separação das crianças, que levou até mesmo a primeira-dama, Melania Trump, a se pronunciar publicamente contra a decisão do próprio marido, o presidente voltou atrás e assinou uma ordem executiva para acabar com sua política de separação de famílias que entraram de forma clandestina pela fronteira. O problema é que essas crianças continuam separadas em centros de detenção ou lares de acolhida, às vezes, a mais de 3 mil quilômetros de onde estão mãe, pai ou responsáveis. Os pais, detidos para serem processados criminalmente, muitas vezes não têm ideia de onde estão seus filhos e, em alguns casos, já foram deportados sem eles, segundo informações locais.

O Itamaraty informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que o número de crianças brasileiras detidas foi atualizado na sexta-feira e que não divulga de quais estados elas são. Os consulados de Los Angeles e Houston visitaram abrigos em suas jurisdições. Uma mãe concedeu uma procuração para que um parente que mora nos Estados Unidos tenha a guarda de seus três filhos, detidos em Tucson, no estado do Arizona. A expectativa era de que eles fossem liberados até hoje. O Itamaraty não confirmou se se tratam dos mineiros de Cuparaque. O Ministério das Relações Exteriores disse apenas que vê com otimismo o resultado e considera que a decisão mostra flexibilidade das autoridades locais. Acrescentou que continua acompanhando de perto a questão.