Diretora morreu de parada cardíaca após ser socorrida na BR-101

“Minha mãe, segundo me contaram, saiu do carro ainda com vida. Ela ainda conseguiu falar o nome dela todo”. Foi com essa afirmação que o orientador operacional Jefferson Coutinho Passos, de 39 anos, filho mais novo de Maria de Lourdes Coutinho Passos, 65, diretora do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Manoel Evencio, em Nova Bethânia, Viana, falou da surpresa com morte da mãe.

Maria de Lourdes Coutinho Passos

Foto: Reprodução/Facebook

Ainda de acordo com Jefferson, Maria de Lourdes teria saído do carro, um Uber, andando e conversando normalmente, mas, em seguida, teve uma parada cardiorrespiratória, e não resistiu, morrendo ainda no local do acidente.

Jefferson também disse que as testemunhas do acidente afirmaram que a equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) tentou reanimá-la, porém, sem sucesso.

A filha mais velha de Maria de Lourdes, Alessandra Passos Pereira, 44, que é professora da rede pública em Vitória, afirmou que a mãe não tinha problemas de saúde, que era uma pessoa cheia de vida, alegre.

Já o genro da diretora, o funcionário público Adenival Ribeiro, 56, marido de Alessandra, emocionado e ainda sem acreditar no que havia acontecido, disse ter sido a última pessoa da família a ter visto Maria de Lourdes antes do acidente.

“Eu fui uma das últimas pessoas a ver a Lurdinha. Eu sempre mexia com ela quando ela passava para ir trabalhar. Eu a cumprimentei antes dessa tragédia acontecer”, relembrou, entre lágrimas.

Maria de Lourdes, que era filha única, morava com o pai, um aposentado de 88 anos, em Santana, Cariacica.

A Prefeitura de Viana lamentou o ocorrido e disse que a diretora era uma profissional de excelência da Secretaria Municipal de Educação, onde trabalhava como professora efetiva há 17 anos. Maria de Lourdes está sendo velada na manhã desta quinta-feira (12).

O motorista do Uber, Márcio Amaral, 28, que transportava a diretora, foi levado para o PA do Trevo, em Alto Laje, Cariacica. Ele teve um corte pequeno na testa e, como levou uma pancada na cabeça, ficou em observação.

Após conversar com Márcio, assessores de imprensa da Prefeitura de Cariacica contaram que ele relembrou que, após a batida, saiu do carro, mas que como a porta do carona travou, pessoas ajudaram a retirar a diretora do veículo.

Eles disseram que o motorista do Uber estava muito abalado, pois viu corpos carbonizados.

COMPARTILHAR