Dobra número de mortes por gripe em Minas Gerais

Número é o dobro do registrado no último boletim da SES, divulgado no início da semana, e representa 46% do total do ano passado. Maior parte dos casos foi provocada pelo H3N2.

GR Gabriel Ronan

Em andamento, campanha de vacinação no estado atingiu até agora 80,93% do grupo prioritário, que recebe o imunizante pelo SUS. Meta é chegar a 90% até o dia 15(foto: Jair Amaral/EM/DA Press – 18/04/2017)

O sinal de alerta está ligado em Minas Gerais quanto às mortes pela Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocada pela influenza: apesar de o inverno – que concentra o maior número de casos – ainda não ter chegado, os 23 óbitos deste ano já se igualam a 46% do total de 2017, quando 50 pessoas perderam a vida em decorrência da gripe no estado. Os números foram detalhados no boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG) na tarde de ontem. O relatório, referente à 22ª semana epidemiológica, mais do que dobra o número de óbitos do penúltimo levantamento, divulgado no início da semana, no qual 11 mortes haviam sido registradas pelo governo estadual. Até aqui, foram 105 casos da síndrome provocados pelo vírus Influenza nos municípios mineiros. O vírus H3N2, que provocou epidemia de gripe nos Estados Unidos, foi responsável pelo maior número de casos e divide com infecções pelo Influenza A não subtipado o recorde de mortes. 

Continua depois da publicidade

Dos 23 pacientes que não resistiram aos sintomas, segundo o levantamento do órgão de saúde pública, três já tinham sido vacinados. Segundo a SES/MG, isso é possível porque a vacina demora a fazer efeito no corpo humano, ou seja, a imunização não é instantânea. Dessa maneira, caso o paciente tenha tido contato com o vírus antes da vacinação, ele ainda corre risco de adoecer mesmo depois de receber o imunizante. “A detecção de anticorpos protetores se dá entre duas a três semanas após a vacinação e apresenta, geralmente, duração de seis a 12 meses. Estudos indicam que a eficácia da vacina é de 50% a 85%”, explica nota da SES. Duas outras pessoas morreram apesar de terem recebido o antiviral em até 48 horas após o início dos sintomas, como preconizam as autoridades de saúde. Quanto a esses óbitos, a secretaria informa que “vários fatores podem interferir” no quadro, portanto, seria necessário analisar cada caso para verificar por que não houve resposta ao medicamento. 

Importante medida para a prevenção contra a gripe, a campanha nacional de vacinação foi estendida até o dia 15. Os centros de saúde do Sistema Único de Saúde atendem ao grupo prioritário, formado por pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a 5 anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade, inclusive adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas, além dos funcionários do sistema prisional. 

De acordo com a SES, até quarta-feira, 80,93% do público-alvo havia se vacinado. O objetivo do governo estadual é vacinar 90% desse contingente, formado por cerca de 5 milhões de moradores de Minas Gerais. A atenção da saúde pública agora se volta às crianças e gestantes, que ainda estão longe da meta: apenas 64% do público infantil foi atendido, enquanto somente 66% das grávidas estão imunizadas no estado. 

Dos 105 casos de SRAG registrados até agora, 100 estão relacionados ao vírus Influenza A (95,2%) e outros cinco ao Influenza B (4,9%). Dos ligados ao vírus A, 49 infecções foram do subtipo H3N2 (46,6%); 16 pelo H1NI (15,2%); e 35 não subtipados (33,3%). Quanto às mortes, a maior parte ficou por conta do H3N2 (nove) e do não subtipado (nove) no período. Essas 18 pessoas representam 78,3% dos casos totais. Outras quatro mortes foram decorrentes de infecção pelo H1N1 (17,3%), enquanto uma pessoa morreu pelo Influenza B (4,4%). 

Do total de pacientes que desenvolveram a SRAG devido à gripe registrados pela SES, 82,9% tinham algum fator de risco. Quanto às mortes, 19 delas ou 82,6% envolviam alguma pessoa vulnerável. A secretaria lista várias condições que contribuem para o quadro de infecção, entre eles: adultos acima de 60 anos, obesidade, doença cardiovascular crônica, crianças menores de 5 anos, gestante, indígenas, portadores de Síndrome de Down. Pessoas incluídas no grupo devem se vacinar. 

DISTRIBUIÇÃO
 Ligado a cerca de 40% das mortes em Minas Gerais, o H3N2 sazonal ligou o alerta da saúde também nos Estados Unidos. No começo do ano, durante o inverno no hemisfério norte, o subtipo causou a pior temporada de gripe nos Estados Unidos desde 2009 e atingiu 47 mil pessoas no país norte-americano. Segundo o boletim da SES, dos 49 casos de H3N2 que levaram à síndrome respiratória grave no estado, 19 foram registrados na capital mineira, outros quatro em Mariana, na Região Central, e três em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Também registraram mais de um caso Contagem, na região metropolitana, e Itabira, na Região Central, com dois cada uma. 

Belo Horizonte lidera o número de mortes até aqui no estado, com quatro óbitos. O governo estadual mapeou também mais de um óbito em Betim, na Grande BH, Uberlândia, Cataguases, na Zona da Mata, e Leopoldina, também na Zona da Mata, onde já foram computadas três mortes pelo vírus Influenza A não subtipado. Além desses municípios, moradores não resistiram aos sintomas em Coronel Fabriciano (Vale do Aço), Diogo de Vasconcelos (Central), Paracatu (Noroeste), Paraguaçu (Sul), São João do Paraíso (Norte), Vespasiano (Grande BH), Ituiutaba (Triângulo), Ubá e Visconde do Rio Branco, ambas na Zona da Mata.

Continua depois da publicidade

A infecção por Influenza pode causar sintomas que se confundem com outras doenças virais e bacterianas. Ela se manifesta, normalmente, como uma síndrome gripal. O paciente pode ter sintomas como febre, dores de cabeça, musculares e de garganta, tosse e fadiga. Se for associado com dificuldade respiratória, o quadro passa para Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). 

Nesta semana, a SES divulgou dois boletins epidemiológicos da gripe, por não conseguir atualizar todos os dados necessários para o informe semanal, rotineiramente publicado às terças-feiras. Isso ocorreu devido à paralisação dos caminhoneiros, que criou “dificuldades no abastecimento de swabs e tubos para coleta de exames laboratoriais de Influenza”. Pelo mesmo motivo, o número de óbitos pela síndrome respiratória aguda grave saltou de 11 para 23 na comparação entre os dois últimos relatórios disponibilizados pela pasta.

(foto: Arte EM)

Febre amarela perde força

Ao mesmo tempo em que a gripe se torna a nova ameaça para a população mineira, a pior epidemia de febre amarela da história do país, da temporada 2017/2018, dá sinais de perder força ao fim de seu ciclo. Desde julho do ano passado, 170 pessoas morreram com a doença em Minas, segundo o último boletim divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde, e outros 314 pacientes foram infectados, superando em mortes a temporada anterior (2016/2017), que contabilizou 475 casos e 162 óbitos. Outros 170 casos continuam sendo investigados, inclusive os de 11 pessoas com histórico de vacinação que mesmo assim foram infectadas. Uma comissão, com participação do Ministério da Saúde, levanta informações clínicas e epidemiológicas fundamentais para conclusão das apurações. Segundo a SES, essas situações são investigadas de maneira profunda, com exames laboratoriais complementares, o que leva mais tempo.

COMPARTILHAR