Justiça autoriza que pastora seja transferida para presídio no ES

Juliana Sales, mãe dos meninos Kauã e Joaquim, está presa em Minas Gerais. Ela foi detida por omissão no caso da morte dos filhos.

Por TV Gazeta

Pastora Juliana Sales Alves, presa por omissão no caso da morte de filhos no Espírito Santo (Foto: Umberto Lemos / InterTV)

Pastora Juliana Sales Alves, presa por omissão no caso da morte de filhos no Espírito Santo (Foto: Umberto Lemos / InterTV)

Entretanto, ainda não há uma data definida para isso. Os advogados da pastora disseram que não têm informações sobre essa transferência.

Juliana é mãe dos irmãos Kauã e Joaquim, de 6 e 3 anos, que morreram carbonizados em um incêndio em Linhares, no dia 21 de abril. Para a polícia, o pastor George Alves, padrasto de Kauã e pai de Joaquim, foi responsável pelas mortes. Ele foi preso no dia 28 de abril.

Irmãos morreram carbonizados em incêndio em Linhares, ES (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

Irmãos morreram carbonizados em incêndio em Linhares, ES (Foto: Reprodução/ TV Gazeta)

A pastora, que é esposa de George, foi presa por omissão no caso da morte dos filhos, no dia 20 de junho. Ela estava na casa de um amigo da família, em Teófilo Otoni. No dia do incêndio, a mãe disse que estava em um congresso também em Minas Gerais com o filho mais novo do casal.

Segundo a decisão da Justiça, Juliana sabia dos “supostos abusos sexuais” sofridos pelos meninos e ela e o marido tinham planos de usar a morte das crianças como forma de ganhar notoriedade e ascensão religiosa.

“O pastor George, em parceria com a pastora Juliana, buscava uma ascensão religiosa e aumento expressivo de arrecadação de valores por fiéis e, para esta finalidade, ceifou a vida dos menores Kauã e Joaquim para se utilizar da tragédia em seu favor”, diz a decisão.

Em defesa, a advogada dos pastores, Milena Freire, disse que as mensagens de celular usadas pelo Ministério Público Estadual (MP-ES) para embasar o pedido de prisão preventiva do casal, foram retiradas de contexto, “causando uma distorção de informações”.

A defesa dos pastores também alega que eles são vítima de uma tragédia e que a acusação usa a mídia para criar uma culpa inexistente.

O filho mais novo dos pastores, uma criança de dois anos, foi entregue ao avô materno depois da prisão dos pais. Ele estava com a mãe no momento da prisão e chegou a ficar no Conselho Tutelar.

Pastor estuprou e matou crianças

A perícia apontou que o acusado estuprou as crianças, agrediu e colocou fogo nelas ainda vivas. Inicialmente, o pastor George Alves, que estava sozinho em casa com os meninos, disse que eles morreram em um incêndio que atingiu apenas o quarto onde as vítimas dormiam.

Na primeira entrevista à imprensa, ele chorou e disse que tentou salvar as crianças. Mas, segundo a polícia, a versão dele não estava de acordo com os fatos apurados durante as investigações.

‘Meu filho chamava aquele monstro de pai’

'Meu filho chamava aquele monstro de pai', diz pai de Kauã sobre pastor no ES

‘Meu filho chamava aquele monstro de pai’, diz pai de Kauã sobre pastor no ES

Para o pai do menino Kauã, Rainy Butkovsky, ainda é um choque pensar em toda a história que ronda a morte do filho e do irmão mais novo do menino, Joaquim.

“Meu filho chamava aquele monstro de pai. Ele me chamava de ‘papai Rainy’, mas também chamava o monstro de pai, a mãe ensinava. Eu não queria, não aceitei, mas tive que abaixar a cabeça para muitas coisas para conseguir ter um convívio com meu filho. Esse cara nunca foi pai, nem do próprio filho dele, nunca mereceu ser pai”, falou.

Rainy contou que ficou casado com Juliana durante três anos e que ela engravidou logo no início do relacionamento. Após o fim da relação, ela se mudou para São Paulo com Kauã, onde conheceu George.

“A Juliana afastou o Kauã da gente quando eu comecei a cuidar do restaurante que eu tenho, que eu tive mais dificuldade de ir pra Linhares, e a Juliana falava que o meu filho não queria ir ficar comigo, mas ele sempre gostava. Uns 15 dias antes de matarem meu filho, eu fui em um feriado pra Linhares, peguei ele e fiquei com ele em um hotel. O Kauã não demonstrou nada de diferente. Foram dias tão agradáveis, parecia que era a despedida”, disse.

Rainy explicou que o filho nunca se queixou de qualquer tratamento por parte de George e não desconfiava do envolvimento dele nas mortes, mas que um dia antes da prisão do pastor, uma situação chamou a atenção dele.

“Eles foram ao meu restaurante, almoçaram lá, fizeram uma oração pela minha família, pelo restaurante. Eu não conseguia ver, mas minha mãe disse ‘poxa, eles oraram pelo restaurante, mas em nenhum momento tocaram no nome daqueles dois anjos. Não pedia para confortar os nossos corações’. Eles estavam vivendo a mentira desde o começo. Nenhuma lei, nenhuma punição, nenhuma sentença seria para o tamanho da barbaridade que esses dois fizeram”, desabafou.

Imagens exclusivas

Pastor acusado de matar filho e enteado agora é indiciado por estupro, no Espírito Santo

Pastor acusado de matar filho e enteado agora é indiciado por estupro, no Espírito Santo

Um vídeo gravado por uma câmera de videomonitoramento, conseguido com exclusividade pela TV Gazeta, mostra o momento em que a fumaça do incêndio que matou os irmãos Kauã e Joaquim, em Linhares, fica mais intensa e também a chegada do Corpo de Bombeiros.

Apesar da intenção de socorro, quando a equipe chegou o fogo já havia destruído o cômodo. Fotos mostram o antes e depois das chamas.

“Dois minutos depois de acionados, os bombeiros chegaram ao local. Eles verificaram um grau de destruição que era incompatível com esse incêndio ter acontecido de forma natural”, falou o tenente-coronel Benício Ferrari, do Corpo de Bombeiros.

George estava dentro da casa sozinho com Kauã e Joaquim, quando tudo aconteceu, por volta das 2h. Segundo a polícia, George saiu do interior da casa e ficou andando na garagem e no quintal.

O pastor não gritava, não pedia socorro. Testemunhas contaram que só depois que chegaram ao local, porque viram fumaça, é que ele disse que as crianças estavam dentro da casa e precisavam de ajuda.

Populares arrombaram um portão para entrar na casa, mas não adiantou. Os bombeiros chegaram rápido, mas quando chegaram já não dava mais tempo de tirar as crianças.

Outras fotos mostram como ficou o quarto depois do incêndio. Um vídeo também foi gravado quatro horas depois que o incêndio havia sido controlado, e ainda mostra alguns pequenos focos.

Quarto ficou completamente destruído depois do incêndio (Foto: VC no ESTV)

Quarto ficou completamente destruído depois do incêndio (Foto: VC no ESTV)