Membros do diretório do MDB em Minas renunciam pela saída de Antonio Andrade

Documento com 55 cartas de renúncia foi entregue em Brasília nesta quinta-feira. Vice-governador afirma que destituição não está prevista no estatuto da legenda.

MFMarcelo da Fonseca

(foto: Edésio Ferreira/EM.DA News)
Continua depois da publicidade
Parlamentares mineiros do MDB que tentam destituir o presidente estadual da legenda, o vice-governador Antonio Andrade, entregaram nesta quinta-feira (12) um documento com a renúncia de 55 membros do diretório estadual, representando a insatisfação do grupo com a permanência de Andrade no cargo. 

O documento foi entregue ao senador Romero Jucá, presidente nacional do MDB. Por meio de nota, o diretório estadual liderado por Andrade classificou a movimentação dos deputados como “desesperada” e o documento como uma “fraude”.
  
Foram levadas a Brasília nesta quinta-feira cartas de 43 titulares e 12 suplentes do diretório estadual. Entre os deputados emedebistas que brigam pela destituição de Andrade, a mudança a frente do diretório estadual já é dada como certa. 

Eles comemoram que a mudança no controle do partido permitirá uma discussão sobre o que será melhor para a bancada: confirmar a candidatura própria ao governo de Minas ou firmar coligações com outras legendas. 

“As assinaturas dos delegados já foram colhidas. O documento chegou ao senador Romero Jucá. Então o advogado do partido apenas confere as assinaturas e automaticamente o diretório atual fica extinto, sendo criada uma comissão provisória”, explica o deputado Mauro Lopes. 

Continua depois da publicidade

Os parlamentares já estão combinando reuniões a partir da próxima semana para bater o martelo sobre o futuro do MDB mineiro. “Vamos escolher o que for melhor para a bancada do MDB, ouvindo todo mundo e avaliando as possibilidades”, diz o deputado Fábio Ramalho. 

Os nomes para a comissão também já estão definidos. O grupo será formado pelos deputados federais Saraiva Felipe, Leonardo Quintão (provável presidente da comissão) e Newton Cardoso Júnior e os estaduais João Magalhães, Tadeu Leite, Leonídio Bouças e Iran Barbosa. 

Reação de Andrade

Em nota divulgada nesta quinta-feira, a direção estadual do partido considerou a tentativa dos parlamentares de destituir Andrade como “desesperada” e afirma que “não há previsão no estatuto da legenda a dissolução automática do diretório”. 

“Por entender que se trata de uma fraude e um processo ilegal, não previstos no estatuto, o presidente do partido repudia veementemente a tentativa do partido, defendendo a tese da candidatura própria, já aprovada nas prévias. Ao contrário do que se tem divulgado, Antonio Andrade defende novas alianças que busquem aumentar ainda mais a presença de parlamentares do partido na Assembleia e no Congresso Nacional, priorizando a substituição deste governo desastrosos”, afirma nota, em referência ao governo de Fernando Pimentel (PT).