Exclusivo: Secretaria Municipal de Saúde investiga morte por esquistossomose em Nazário de Mantena

0
383

Segundo informações o sobrinho Nélio, e  seus  dois tios, os irmãos Djalma e Deca,  entraram em um lago  e foram infeccionados com esquistossomose.  Nélio  que  trabalhava na Escola Municipal Jamiro Batista  faleceu  com diagnostico de septicemia, os outros dois irmãos estiveram internados  e segundo informações passam bem. A Secretaria Municipal de Saúde esta investigando o caso e o lugar da  possível transmissão quando terá melhores informações para esclarecimento da população.  

A infecção é adquirida quando as pessoas entram em contato com água doce que está infectada com as formas larvais de parasitas da espécie Schistosoma.
A infecção é adquirida quando as pessoas entram em contato com água doce que está infectada com as formas larvais de parasitas da espécie Schistosoma.

A  Secretária Municipal de Saúde   preocupada com a situação e com  a morte de Nélio esteve no distrito de Nazário de Mantena  para dar continuidade nas investigações sobre o caso. Tudo  começou no  dia 10 de fevereiro  quando  juntamente com seus  dois tios, os irmãos Djalma e Deca  entraram em um lago e foram infeccionados    com esquistossomose , Nélio faleceu nesta quinta feira, (26/02), e foi sepultado na sexta feira   com um diagnostico de septicemia  tipo comum de sepsias, caracterizado por um estado infeccioso generalizado devido à presença de microrganismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea  que  não e comum  neste caso.

Segundo informações  os dois  irmãos e tios da vítima  também  estiveram  internados em consequência da infecção,  um em Vitoria -ES  e outro no Hospital Evangélico de Mantena,  as últimas noticias eram de que eles  passam bem e não correm risco de morte.

 A Secretaria Municipal de Saúde  continua   investigando o caso e também  o local da possível transmissão e na próxima semana soltará uma Nota Oficial  com maiores  informações sobre o caso visando  esclarecimento de toda população do Município e do Estado de Minas Gerais.

O que é Esquistossomose?

Sinônimos: bilharzíase, febre de katayama, coceira de nadador

A esquistossomose é uma doença que leva a problemas de saúde crônica. A infecção é adquirida quando as pessoas entram em contato com água doce que está infectada com as formas larvais de parasitas da espécie Schistosoma. Os vermes adultos microscópicos vivem nas veias de drenagem do trato urinário e dos intestinos. A maioria de seus ovos fica presa nos tecidos e reação do corpo a eles pode causar grandes danos à saúde.

Há duas formas principais de esquistossomose – intestinais e urogenitais – causadas por cinco espécies diferentes de Schistosoma.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a esquistossomose afeta quase 240 milhões de pessoas no mundo, e mais de 700 milhões de pessoas vivem em áreas endêmicas. A infecção é prevalente em áreas tropicais e subtropicais, em comunidades carentes sem acesso a água potável e saneamento adequado. Vários milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de patologia grave em consequência da esquistossomose.

Causas

A infecção ocorre quando a pele entra em contato com a água doce contaminada com o parasita do tipo Schistosoma.

Quando uma pessoa infectada urina ou defeca na água, ela contamina o líquido com os ovos de Schistosoma. Esses ovos eclodem e invadem os tecidos de caracóis que vivem naquele lago ou rio. Os parasitas então crescem e se desenvolvem no interior dessas lesmas. Após crescerem, os parasitas deixam o caracol e penetra na água, onde podem sobreviver durante cerca de 48 horas. O Schistosoma é capaz de penetrar na pele de pessoas que pisam descalças, nadam, tomam banho ou lavam roupas e objetos na água infectada

Dentro de algumas semanas, os vermes crescem no interior dos vasos sanguíneos do corpo e produzem ovos. Alguns desses ovos viajam para a bexiga ou intestinos e são passados para a urina ou fezes.

Esquistossomose urogenital é causada pelo Schistosoma haematobium e esquistossomose intestinal por qualquer dos organismos S. guineensis, S. intercalatum, S. mansoni, S. japonicum e S. mekongi.

Fatores de risco

Esquistossomose é prevalente em áreas tropicais e subtropicais, especialmente em comunidades carentes sem acesso a água potável e saneamento adequado. Estima-se que pelo menos 90% das pessoas com necessidade de tratamento para a esquistossomose vive na África.

A esquistossomose afeta principalmente comunidades pobres e rurais, em especial as populações agrícolas e de pesca. Fazer tarefas domésticas em águas infestadas, como lavar roupas, também aumenta o risco. Higiene inadequada e contato com a água infectada tornam as crianças especialmente vulneráveis à infecção.

A Organização Mundial de Saúde afirma que o aumento do ecoturismo e das viagens para áreas de risco tornou crescente o número de turistas que estão a contrair esquistossomose.

 Sintomas

Sintomas de Esquistossomose

Dias após a infecção, a pessoa pode desenvolver uma erupção cutânea e/ou coceira no local em que o parasita penetrou na pele. A maioria das pessoas, no entanto, não têm sintomas nesta fase inicial da infecção.

Dentro de um a dois meses após a infecção, quando o parasita atinge o sangue e viaja através dele, a pessoa pode sentir:

Febre – Calafrios – Tosse e Dores musculares.

O parasita então pode viajar para o fígado ou passar para o intestino ou bexiga.

A esquistossomose intestinal pode causar:

Dor abdominal- Diarreia -Sangue nas fezes – Esquistossomose urigenial.

O sinal clássico da esquistossomose urogenital é hematúria (sangue na urina). Fibrose da bexiga e do ureter, e danos renais são, por vezes, o diagnóstico em casos avançados. O câncer de bexiga é outra complicação possível nas fases posteriores.