Prefeita de Valadares decreta estado de calamidade pública no município

0
94

Cidade foi atingida por rejeitos das barragens que romperam em Mariana. Abastecimento está comprometido e pode faltar água na cidade.

Diego Souza Do G1 Vales de Minas Gerais
Elisa Costa decretou estado de calamidade no fim da tarde desta terça-feira, em Valadares (Foto: Diego Souza/G1)           Elisa Costa decretou estado de calamidade no fim da tarde desta terça-feira, em Valadares
                                                                       (Foto: Diego Souza/G1)

A prefeita de Governador Valadares, Elisa Costa (PT), decretou estado de calamidade pública no município do Vale do Rio Doce. A cidade foi atingida pelos rejeitos das barragens de Fundão e Santarém, no município de Mariana, que romperam na quinta-feira (5). A lama proveniente das barragens atingiu o Rio Doce, comprometendo o abastecimento de água em Valadares.

Ainda de acordo com a prefeita, o governador do Estado, Fernando Pimentel, estará em Valadares na manhã desta quarta-feira (11). Ele vai sobrevoar o Rio Doce e avaliar os danos causados ao rio. Elisa informou também que foi elaborado um Plano de Emergência enviado aos Governos estadual e federal e à empresa Samarco, responsável pela tragédia ambiental de Mariana.

“Foi oficiado ao Ministério Público que já entrou com uma ação judicial contra a Samarco para que a empresa repare danos e prejuízos ao município e à população. Está sendo feito contato ainda com o Ministério da Integração Nacional e com o Exército Brasileiro”, disse a prefeita durante a coletiva de imprensa.

Em nota divulgada no fim da tarde desta terça-feira, a assessoria da prefeitura informou que o Plano contém ações emergenciais, como, por exemplo, a exigência de que a Samarco consiga caminhões-pipa para suprir a necessidade da população.

“A Copasa se colocou à disposição e já identificou municípios que poderão ceder água. 21 caminhões já buscam água em municípios vizinhos como Frei Inocêncio, Marilac e outros do Vale do Aço. A princípio, irão abastecer instituições de saúde, ensino e abrigos. A previsão é que mais 60 caminhões-pipa cheguem a cidade nesta quarta-feira”, afirmou Elisa Costa.

A prefeita informou ainda há um decreto para a utilização de todo os poços artesianos da cidade. Nesta quarta-feira está agendada uma reunião para avaliar a possibilidade de paralisação das aulas nas escolas públicas.

O Serviço Autônomo de Abastecimento de Água e Esgoto (SAAE)  está em contato permanente com órgãos federais e estaduais, que estão monitorando a situação, como a CPRM e a Agência Nacional de Água (ANA), e alerta que não há como prever quando poderá ser restabeleido o abastecimento, uma vez que nenhum tratamento é eficaz enquanto a lama não se diluir.