Queda na arrecadação deixa Mantena em sérias dificuldades financeiras

0
125

Temos absoluta certeza de que todos os nossos cidadãos contam com um aparelho de televisão em casa. Sendo assim, não é errado afirmar que todos os mantenenses são cientes da grave crise que o Brasil vem vivendo em todas as áreas, principalmente no que diz respeito à economia.

Por Wilson Guedes

Wilson Guedes é Jornalista - Assessor de Imprensa da Prefeitura Municipal de Mantena
Wilson Guedes é Jornalista – Assessor de Imprensa da Prefeitura Municipal de Mantena

De norte a sul do Brasil o que se ouve é o clamor dos municípios, a maior parte deles já de “pires na mão” em busca de algum “trocado” que possa assegurar sua sobrevivência. Em nosso Estado, prefeituras já estão negociando o pagamento do 13° salário  de 2015 e até o pagamento de seus funcionários já aposentados para o fim do primeiro trimestre deste ano, outras devem ao funcionalismo já há mais de três meses, e fora daqui, o Governo do Rio de Janeiro está orientando os funcionários públicos do Estado a fazerem empréstimos consignados para garantir o pagamento do benefício com a promessa de que ele, o Estado, acertará as dívidas. Imagine só: se um Estado como o Rio de Janeiro que lucra milhões com o turismo e com os royalties de petróleo está nesta situação calamitosa apesar de todos os esforços que vem realizando, o que passam os pequenos municípios que dependem única e exclusivamente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e dos impostos locais para sobreviver? A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) já havia emitido um alerta para todas as prefeituras brasileiras que o FPM, que “pinga” nos cofres públicos todos os dias 10, 20 e 30 de cada mês seria ainda menor se comparado ao mesmo período do ano passado. E já estamos sentindo na pele que a previsão não estava errada: Do Fundo de Participação do Município (FPM), o primeiro repasse líquido, que do ano passado foi de R$ 629.685,00, este ano foi de apenas R$ 433 mil. Ainda no caso específico de Mantena, que sofreu uma enchente catastrófica há dois anos, e que além de novas obras é obrigada a reconstruir muito do que a água levou, contamos com uma dívida nas ruas de mais de R$ 4 milhões entre o IPTU (há casos de dívida ativa que não são quitados desde 2006) e alvará de funcionamento de mais de 50% dos cerca de 1558 estabelecimentos comerciais de portas abertas na cidade, que também não acertaram sua situação junto à Prefeitura.

Voltando à situação nacional onde alunos não estão tendo aula por falta de merenda, ou de carteiras, ou pelo teto que desabou em muitas salas, pela falta de transporte escolar; pacientes que não estão podendo fazer seus tratamentos em hospitais e policlínicas por falta de material básico, muitos deles vindo a morrer nas portas das próprias unidades de atendimento (como aconteceu há poucos dias em um hospital na capital federal, mostrado pela tevê em rede nacional); escândalos financeiros e políticos que paralisaram nosso país e que como consequência prejudicaram o dia a dia do cidadão, trouxeram a inflação de volta às ruas – mais de 10%, a maior registrada na última década – e como dissemos, colocaram as prefeituras, muitas delas de cidades consideradas “ricas”, em estado de choque, tendo que juntar-se a tantos outros municípios que já são vistos como pedintes tamanha situação de pobreza que se encontram.

Dentro desse contexto é que devemos repensar nossos atos ao irmos para as redes sociais e criticar nosso município e todos os esforços que a Administração está realizando para que consigamos sobreviver a toda essa avalanche com o mínimo de dignidade. É preciso parar e pensar o que está acontecendo em todos os cantos de nosso país e comparar ao cotidiano de Mantena para sabermos se devemos dar crédito às campanhas caluniosas e repletas de mentira, de informações sem qualquer fundamento, que brotam diariamente das rádios locais.

“Estamos pavimentando todo o Bairro Tropical; asfaltando o bairro bairro Boa Esperança: construindo uma nova Unidade Básica de Saúde no Bairro Nicolini; reconstruindo a Praça da Vila Nova; nosso estádio de futebol; entregamos 50 casas populares; calçamos varias ruas dos bairros Santo Antônio, São Bernardo e Nicolini beneficiando mais de 250 famílias; demos início a construção de uma moderna creche com capacidade para 240 crianças no bairro Santo Antônio; reformamos, ampliamos e equipamos com os mais modernos serviços todas as unidades da nossa rede municipal de ensino; adquirimos quatro novos ônibus escolares além de vários carros e máquinas para a frota municipal; iremos implantar um mini mercado para o produtor rural; estamos providenciando o recapeamento de ruas como a Sete de Setembro e Avenida José Mol; o calçamento dos bairros Santos Prates II e 13 de Maio; das ruas Vereador João Fernandes, Bragança e Carlos Moulaz; a Estação de Tratamento de Esgoto de Ariranha…Enfim, estamos correndo atrás mesmo apesar de todas as adversidades. O funcionalismo público municipal é a mola de todo esse trabalho e haveremos de continuar lutando para que sintam da forma menos dolorosa possível esse embate econômico que estamos vivenciando”, afirmou o prefeito Dr. Wanderson Elizeu Coelho.

 

Wilson Guedes é Jornalista

Assessor de Imprensa da Prefeitura Municipal de Mantena