Polícia prende ‘maníaco da motocicleta’, que abusava e roubava mulheres em Minas

0
132

Homem de 27 anos foi detido sob duas acusações: importunação sexual de mulheres e roubo. Ele nega os crimes.


A Polícia Civil de Minas Gerais deu detalhes, nesta terça-feira (27), da prisão de Carlos Wagner de Barcelos, de 27 anos, conhecido como “maníaco da motocicleta”. O homem foi preso, nessa segunda-feira, em Carmo do Cajuru, na Região Centro-Oeste do estado, onde ele abusava e roubava mulheres. Os crimes, segundo a corporação, também aconteceram em Divinópolis, na mesma região.

Continua depois da publicidade

A polícia prendeu Carlos depois que ele passou a o nas nádegas de uma adolescente de 15 anos. Ela estava de bicicleta, quando o suspeito passou de moto e abusou da jovem.

Ainda na segunda, o “maníaco da motocicleta” tentou, de acordo com a corporação, roubar a bolsa de uma mulher que chegava em seu trabalho. Ela, no entanto, reagiu e saiu ilesa da tentativa de crime.

Conforme o delegado regional de Divinópolis, Leonardo Pio, sete vítimas da cidade e as duas de Carmo do Cajuru reconheceram Carlos Wagner como autor dos crimes. Essas mulheres identificaram, inclusive, a motocicleta usada por ele nos atos, assim como as roupas e uma mochila.

Segundo o delegado, o acusado nega os crimes. “Ele sustenta que quando ocorreram os fatos de Divinópolis a motocicleta dele não estava funcionando. Só que a data não condiz com quando os eventos que aconteceram”, destaca Leonardo Pio.

A autoridade também ressalta que Carlos Wagner de Barcelos não sabe explicar o porquê da ida a Carmo do Cajuru na segunda-feira. Segundo Leonardo, ele disse que faria um orçamento na cidade, mas não apresenta documentos para sustentar sua argumentação.

Agora, a polícia trabalha para que outras possíveis vítimas também denúncias o “maníaco da motocicleta”. “É de suma importância que todas as mulheres que passaram por crimes parecidos nos procure aqui na delegacia. Mesmo que você não tenha feito boletim de ocorrência, talvez por constrangimento ou achar que isso foi banal. Isso não foi banal! É muito importante para nós (a denúncia”, afirma Janaína Araújo Santos, escrivã da Delegacia de Mulheres de Divinópolis.