Segundo Ministério Público Prefeito João Rufino tentou imputar falso crime ao seu próprio advogado 

0
85

Conforme consta na manifestação do Ministério Público  MPMG-Promoção de Arquivamento PIC (1), o Prefeito Municipal de Mantena  João Rufino tentou imputar ao seu próprio advogado o delito de patrocínio infiel que prevê pena de detenção de até três anos.

Continua depois da publicidade

Veja mais

Prefeito João Rufino nega TAC firmado com Ministério Público, diz site em Mantena

Durante as investigações da acusação realizada pelo prefeito João Rufino, que se dizia vítima, ficou comprovado que o Advogado não praticou o delito que foi acusado, e o prefeito pode ter cometido o crime previsto no artigo 339 do Código Penal (Denunciação caluniosa) que prevê uma pena de reclusão de até oito anos.

Pelo que consta na manifestação do Promotor de Justiça, MPMG-Promoção de Arquivamento PIC (1) , ficou comprovado que o Dr. Josué Batista de Freitas Pacheco, que era ou ainda é advogado do Sr. João Rufino não praticou o crime de patrocínio infiel e, aliás, ficou demonstrado que o Senhor João Rufino tentou imputar ao seu próprio advogado o delito de patrocínio infiel, mesmo sabendo que o Advogado era inocente e agiu observando suas orientações e interesses.

Ao que tudo indica a denunciação caluniosa feita pelo prefeito João Rufino teve o objetivo de tentar demonstrar que ele não tinha conhecimento do TAC assinado por seu representante perante o Poder Judiciário em audiência que contou com a presença dos doutores Jorge Verano, Maurício Fabiane, Adivar Gomes e Josué Batista e ainda Dr. Reinaldo Lara, Promotor de Justiça e Dr. Marcelo Jordão, Juiz de Direito.

Na TAC que não foi respeitada e deu causa a uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público o prefeito se comprometeu a não realizar contratações sem realizar no mínimo processo seletivo simplificado.

A suposta tentativa foi um “tiro que saiu pela culatra” pois agora a investigação se volta contra o prefeito João Rufino que poderá responder pelo crime de denunciação caluniosa caso ao final das investigações já requeridas pelo Ministério Público se comprove que o mesmo agiu desta forma.

Outras matérias 

Imagem do Dia: “Cuidando de Nossa Gente” Prefeitura capricha lavando em frente do Barreto Material de Construção

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui