Justiça Eleitoral de Mantena determina  fim de campanhas eleitorais extemporâneas em Central de Minas 

0
264

Em decisões proferidas  após representação feita pelo Ministério Público de Mantena o juiz eleitoral Dr. Thiago Guimarães Emerim determinou que os pré-candidatos a prefeito por Central de Minas Gilberto Ferreira da Cunha (MDB) e Hemerson Gonzaga da Silva (PSB) cessem imediatamente atos de organização, divulgação e execução de carreatas, passeatas e aglomeração pública de pessoas sob pena de incidirem em multa de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais)  por cada ato de descumprimento.

Gilberto Ferreira da Cunha (MDB) e Hemerson Gonzaga da Silva (PSB) são pré-candidatos a prefeito em Central de Minas – Foto: Montagem/Redes Sociais 

Continua depois da publicidade

Veja mais 

Cabeleireira desabafa “estou indignada com a saúde em Mantena”, veja mais reclamações 

Na representação realizada pelo Ministério Público de Mantena consta que nos dias 25 e 26 de julho os pré-candidatos teriam praticado propaganda eleitoral extemporânea, na medida em que teria organizado e realizado carreata pelas ruas da cidade de Central de Minas.

Ainda,  que  os integrantes da carreata estariam fardados com as cores do partido (MDB e PSB) e em posse de utensílios com as cores e número das agremiações respectivas, em que supostamente exaltavam os pretensos pré-candidatos, executavam jingles de campanha e externavam frases em que explícita e implicitamente pediam votos aos representados.

Em uma das carretas houve inclusive princípios de confusão quando manifestantes favoráveis a um dos pré-candidatos se reuniram em um bar da cidade e foram provocados pelo lado contrário.
Há ainda provas de que apoiadores do pré-candidato do PSB estariam organizando nova carreata que ocorreria no último sábado  dia 01/08/2020.

Na decisão o Dr. Thiago Guimarães Emerim entende que a situação descrita pelo Ministério Público de Mantena ficou comprovada após depoimentos dos pré-candidatos e da Polícia Militar além de áudios o que configuraria situação de potencial desequilíbrio eleitoral e inegável infração à legislação eleitoral.

Outras matérias 

Covid-19: “Não existe nenhum tipo de fiscalização por parte dos gestores da cidade”, diz radialista

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui