Parabéns! Hoje quem faz aniversário e comemora 78 anos   é nossa querida Mantena, veja a história da Terra Boa

0
144

Parabéns! Hoje quem faz aniversário e comemora 78 anos   é nossa querida Mantena, veja a história da Terra Boa 

Nossa História 

Por volta de 1920, o território começou a ser povoado. Isso aconteceu graças aos padres capuchinhos, entre eles, Frei Inocêncio de Comiso. Naquela época, as terras que hoje formam o nosso Município pertenciam ao Município de Itambacuri, fazendo parte do Distrito chamado Lajão, depois o Distrito de Lajão foi desmembrado de Itambacuri, surgindo o Município de Conselheiro Pena. Em 1930, o Emiliano Ferreira Júnior, comprou grande parte dessas terras e veio ocupá-las juntamente com sua família.

Dois anos depois de sua instalação nas terras, desgostou-se daqui devido à morte de sua filha e resolveu vender suas terras para Cândido Ribeiro Gonçalves, conhecido como Cândido Ilhéu. Este comprou todo o patrimônio e doou uma parte para a construção do povoado, com apenas 7 casas, recebendo o nome de “Barra do Córrego dos Ilhéus”, em homenagem ao doador. Em 17 de dezembro de 1938, o prefeito do Município de Conselheiro Pena (ao qual pertencia nosso povoado), Sebastião Anastácio de Paula, (que ainda reside em Conselheiro Pena), feliz com o crescimento do povoado transformou-o em distritopela Lei n0 158, foi criado o distrito de Bom Jesus do Mantena, compreendendo toda a região do São Mateus do Sul, com a participação do distrito de Lajão que se tomou município de Conselheiro Pena.

Onze anos após a criação do povoado, o Governador do Estado, José de Magalhães Pinto, expediu um documento (Decreto nº 1.058), criando o Município de Mantena. Em 4 de janeiro de 1944, foi nomeado pelo Governador o primeiro prefeito, José Fernandes Filho (o Fernandinho). Em 30 de dezembro de 1944, pelo Decreto nº 1291 foi instalada a Comarca de Mantena, sendo o seu primeiro Juiz de Direito Osvaldino de Paula Salazar. Pertencem à Comarca de Mantena os Municípios: Mendes PimentelItabirinha de MantenaCentral de MinasSão João do Manteninha e Nova Belém.

O município começou a experimentar uma expansão econômica e geográfica das maiores, recebendo famílias que vinham de diversas localidades para cá. A produção de café e a extração de madeiras, atraía a atenção de todos, inclusive das pessoas do Espírito Santo, começando aí a triste história do Contestado.

A revolta do Contestado foi um conflito desde o começo do povoado entre o Estado do Espírito Santo e Minas Gerais, que só terminou quando o Supremo Tribunal Federal estabeleceu os limites entre os dois Estados. Foi assinado um tratado que estabeleceu a paz, entre os dois governadores interessados: José de Magalhães Pinto (Minas Gerais) e Francisco Lacerda de Aguiar – (Espírito Santo), em setembro de 1963. A partir desta data o Município continuou sua expansão, baseando sua economia principalmente na produção de café, o que veio contribuir também para a sua estagnação econômica devido à queda do preço do café no mercado mundial. Em 9 de dezembro de 1963, o Diário Oficial do Estado de Minas Gerais publicava a Resolução 569, do Governador Magalhães Pinto. Nela, estava definida, junto a “Lei 2084 do Estado do Espírito Santo”, a linha divisória do município, entre os dois Estados ao norte do Rio Doce, com as delimitações que tem hoje. Naquela época a composição distrital do município era a seguinte: Sede, São João do Manteninha, Itabirinha. Santo Agostinho de Minas, Água Doce do Mantena e Barra do Ariranha.